Chico Xavier

Francisco Cândido Xavier nasceu em Pedro Leopoldo, Minas Gerais, no dia 2 de abril de 1910, filho do operário José Cândido Xavier e da lavadeira Maria João de Deus, tendo ficado orfão aos cinco anos de idade.

As primeiras experiências mediúnicas remontam à infância, quando, morando com uma madrinha, porque o pai não tinha condições de criá-lo e aos oito irmãos, via e ouvia a mãe. Algum tempo depois, quando o pai casou-se novamente, Chico voltou a viver com ele e com os irmãos.

Ainda criança, trabalhou vendendo legumes de uma horta cultivada em casa para pagar os estudos. Na adolescência, já não tinha mais tanto contato com o espírito da mãe, mas passou a conversar com outros interlocutores invisíveis durante a noite. O pai resolveu então, levá-lo ao vigário de Matozinhos, que, após ouví-lo, recomendou que o garoto não lesse mais jornais, revistas ou livros, porque era isso que o estava perturbando.

Em 1923 terminou o curso primário. Como resolveu seguir com os estudos, levantava-se às 6 h para começar às 7 h, as tarefas escolares. Paralelamente, começou a trabalhar em uma fábrica das 15 h às 23 h. Em 1925 deixou a fábrica, empregando-se na venda do sr. José Felizardo Sobrinho, onde trabalhava das 6h30 às 20 h.

Em maio de 1927, uma de suas irmãs adoeceu. O pai chamou um casal de espíritas e, através deles, sua mãe voltou a se manifestar. Foi nessa ocasião que Chico Xavier ficou conhecendo os livros "O Evangelho Segundo o Espiritismo" e "O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec. Neste mesmo ano, no dia 8 de julho, Xavier fez a primeira atuação de serviço mediúnico em público.

Os primeiros textos psicografados vieram a público em 1931 e o primeiro livro psicografado, uma reunião de poesias chamada "Parnaso de Além Túmulo", foi publicado em 1932.

Em 1950, Chico Xavier já acumulava mais de 50 livros e já era muito conhecido no Brasil e no mundo. Em 5 de janeiro de 1959, mudou-se para Uberaba, sob a orientação de seus guias espirituais, reiniciando imediatamente as atividades mediúnicas naquela cidade, em reuniões públicas da Comunhão Espírita Cristã. Aos sábados, após sair dessa instituição, visitava lares carentes, sempre acompanhado por grande número de pessoas. Prosseguiu com suas atividades, psicografando, fazendo as reuniões e visitas em Uberaba, enquanto sua saúde permitiu.

Em 1981, cerca de dez milhões de brasileiros assinaram manifestos para que ele recebesse o prêmio Nobel da Paz. Em novembro de 2000, foi eleito o Mineiro do Século, em iniciativa da Rede Globo de Televisão, que contou com votação popular em todo o Estado de Minas Gerais.

Chico Xavier morreu em Uberaba, aos 92 anos, no dia 30 de junho de 2002, às 21h03', de parada cardíaca, segundo a família. Foi autor de mais de 400 livros, cujos direitos foram cedidos gratuitamente para que editoras espíritas do Brasil e do mundo pudessem lançá -los.